delineador trend

março 31, 2012 § 2 Comentários

Super inspiração pra vocês, gurias, que às vezes não têm ideia de como inovar no delineador.

Achei mui-to bom.

Criatividade dá nisso.

Vamos maquiar?
:)

Vi aqui.

Anúncios

a voz de dezembro

dezembro 13, 2011 § 1 comentário

backdrifts by micmojo
backdrifts, a photo by micmojo on Flickr.

.
Si nous restions silencieuses, sans dire un mot, nos hardes et nos corps amaigris traihiraient la vie que nous avons menée.”
Shakespeare, Colorian, V, 3

.
.
.
.
[Se permanecêssemos silenciosos, sem dizer uma palavra, nossos trapos e nossos corpos desfalecidos trairiam a vida que levamos.
]
Shakespeare, Colorian, V, 3
(apud FLÜGEL, J.C. Le rêveur nu. Paris: Montaigne, 1982)
.
.
.
.
Também Shakespeare falava de moda. Do que a moda (ou o nu) dizia e diz sobre nós.

Faltando poucos dias para o ano acabar, uma camisola como esta da foto é o vestido que eu queria… Que linda, né?
E tem tudo a ver com meu ano porque é bonita, é preciosa e delicada também (frágil, sabe). Sobretudo: embora pareça um vestido, é uma camisola (roupa para dormir). Porque mesmo que haja muito trabalho nestes últimos dias, tudo o que eu quero (ou queria) é descansar… Para assimilar o melhor desse 2011.

É Shakespeare, não tem como disfarçar.

Je vous embrasse,
dani @hinerasky

Sartorialista

outubro 27, 2011 § 4 Comentários

Tive meus dias de sartorialista na Paris Fashion Week Prêt-à-Porter Verão 2012 (aqui fazendo menção ao mais conhecido blog de street-style The Sartorialist), porque ganhei uma câmera semi-profissional e uma lente 50mm. É o que ajuda muito para o nosso “olhar” ficar ainda mais bonito, mas ainda tenho que aprender quase tudo sobre fotografia manual.

Então depois de sete dias correndo de porta-em-porta de desfiles, lotados de fotógrafos (profissionais e amadores também), esses retratos (os que eu mais gostei) são, para mim, como retalhos de um mundo onde anônimos querem um pedacinho de visibilidade – a chance de serem notados. Sonham com o seu momento como “modelos”, como referência de estilo, como webcelebritie. No mínimo, são pessoas que não se importam com “flashes” e sabem encarar a lente de uma câmera (algo que minha timidez inibe). Um salve para elas!
Alors, meus fashion-retratos de Paris.


Cada um com seu modo de viver a moda. E tantos modos de ver. O que está na moda e para onde a moda vai? – me pergunto.
Os gurus de tendências talvez tenham pistas, mas a gente também pode arriscar – mesmo com essas fotos em plano mais fechado: looks simples, cores, e P&B também, chapéus, penas e plumas e pelos, acessórios marcantes e batom vermelho – está nas bocas. Batom vermelho!
Mais que pistas de moda, porém, a meu ver, essas coisas todas que eu falo e tento mostrar carregam uma fala e um dado importante: “queremos mostrar algo, precisamos (nos)mostrar, ou temos algo a mostrar”.
E é a roupa que é (e tem sido) o suporte para este grito.
!PONTO DE EXCLAMAÇÃO!
Né?

Je vous embrasse,
Dani @hinerasky.

O século 18 (sempre de) volta na moda

setembro 19, 2011 § 1 comentário

Conheci no final de semana o “Domaine” de Versailles, a área do Castelo e outras “maisons” (o Grand e o Petit Trianon) da família real francesa, todos do século das luzes, feitos por Louis Auguste para a austríaca MARIE ANTOINETTE, que foi rainha da França.
De repente toda a história fez sentido para mim. O estilo de vestidos, móveis, decoração e até porcelanas que eu gosto estavaM ali nas dezenas de salas, salões e quartos do Château de Versailles na sua potência máxima. Sim, o mundo inteiro herdou referências dos costumes, das vestimentas, da etiqueta e da pompa da nobreza do século 18.
E é justamente sobre a influência consagrada daquele século na moda atual o tema da exposição temporária (vai até o dia 09 de outubro) que está nos “appartements” do GRAND TRIANON (uma das casas dadas de presente pelo rei para Maria Antoinette, após ela dar à luz a primeira filha): LE XVIIIe AU GOÛT DU JOUR – Couturiers et Créateurs de mode (Do século 18 aos dias de hoje), em parceria com o Musée Galliera (o Musée de la Mode de la Ville de Paris).

Esta é outra exposição que eu queria que todo mundo visse comigo. Fui até repreendida por fotografar (não era em todas as salas que a gente estava autorizado), mas eu não podia deixar de mostrar alguns dos 50 modelos expostos, entre looks de época e outras prêt-à-porter. Parte são vestidos do acervo das Maisons de grandes criadores e designers do século XX (Dior, Lacroix, Chanel, Mugler, Balmain,…) e outra parte são peças e acessórios do século XVIII, da coleção do Musée Galliera, que mostravam o diálogo que existe entre esses momentos históricos e nos fazendo perceber como aquela época foi e continua (re)visitada na moda até hoje. Olha só:

Os vestidos, cercados de lâmpadas (incandescentes), pontuavam o século das luzes na moda dos que vieram depois. Tudo tão literal e tão sutil ao mesmo tempo. Porque ainda que tudo ali fosse a história dos homens franceses (e das mulheres!), tudo é ainda é tão atual. A maioria das peças – vestidos sublimes e glamourosos – dos designers poderiam ser usadas por nós mulheres em ocasiões especiais (e vão valer como inspiração, claro!).
Ora, ao andar por uma exposição que fica nos cômodos da casa que foi de uma RAINHA, a sutileza está em perceber o romance.
O gl(AMOUR) também faz parte da vida. Né.

beijones, @hinerasky

TODAS MINHAS FOTOS DA EXPO (com estilistas) AQUI NO FLICKR

Madame Grès, mestre da alta-costura, no museu

agosto 6, 2011 § 3 Comentários

Paris não é só esbarrar em cartões-postais como a gente acha. É uma aula de moda e de comportamento todos os dias. Há escolas temporárias e atividades que servem como nossos tutores, digamos (porque professor não se substitui, claro).

Dessas, as melhores, na minha opinião, são as ruas, vitrines, as bancas de revista, as lojas de departamento e os consumidores desesperados… porque dá para ver a MODA-VIVA. Mas tem também as exposições (só de moda, no momento há três), que tal qual os livros, são como guias a contar trajetórias e histórias que não teríamos como saber se ali reunidas não estivessem.

A exposição da Madame GRÈS (1903-1993) é um exemplo!
Acho que ela é uma das estilistas mais dignas de estar no Museu. Ainda mais no Musée Bourdelle, um dos mais bonitos que eu já conheci. E porque ela não fez só uma moda exclusiva e de qualidade, gente(!), ela esculpia mesmo os tecidos – não é à toa que queria ser escultora, como diz no site oficial do museu.

Coisa mais lin-da está a exposição “Madame Grès, la couture à l’ouvre”, que vai até o dia 28 de agosto (inclusive foi prorrogada tamanho o sucesso). Ver as roupas de festa entre obras de arte do acervo do museu é sensacional!

Mas o que mais deixa a gente boquiaberta são os vestidos, claro. Os cortes e as curvas, em drapeados bem desenhados – cada um como uma obra de arte de verdade, isso sim! E nos tecidos mais flutuantes e leves do mundo – seda, jérsei, sei lá… (e outros mais pesados, claro, dependendo da proposta e da peça). Eu ia olhando e me apaixonando… Deu uma vontade de vestir um dos vestidos e sair dançando pelo salão [SUSPIRO].

Para quem não tiver a oportunidade de ir, fiz algumas fotos (tem mais aqui no set do meu Flickr). Não gosto mesmo de fazer fotos em museus. Mas estava demais, e eu precisava compartilhar tanta beleza e genialidade com alguém. beijones!

Ah, a exposição tem também muitos desenhos da estilista e editoriais das revistas Harper’s Bazar, Vogue…e outras, feitas por vários fotógrafos, entre os quais Guy Bordin e Richard Avedon. \o/

mallu mulher

julho 26, 2011 § Deixe um comentário

mallu magalhães by brunaburton
mallu magalhães, a photo by brunaburton on Flickr.

.
.
.
Mallu magalhães cresceu, gente. Tá linda, né?

[no backstage da SPFW].
beijones.

Prix de Diane Longines 2011

junho 19, 2011 § 5 Comentários


chantilly_prix_de_dianes_1 a video by hinerasky on Flickr.


Meu 12 de junho foi um domingo muito glamouroso.

Primeiro porque começou com uma entrega fofa na porta do meu “studiô”: um legítimo BOUQUET de rosas vermelhas, enviado pelo namorado, André, de BsAs.
Nada mais Paris, nada mais amor…


.

Também, porque estive em Chantilly (lembram do Castelo onde o Ronaldinho casou com a Daniela Cicarelli? Lá mesmo!), une “petit ville” (pequena cidade) a uns 40 Km ao norte/noroeste de Paris, conhecida como a “Capital do cavalo” na França.
E no Hipódromo do Castelo de Chantilly estava acontecendo a edição 2011 do Prix de Diane (Prêmio de Diane), patrocinado pela marca de relógios suíça Longines.
Como os franceses repetem muito: “Franchaiment, a été genial”!

Foi como entrar na locação de um filme num dia de competição de cavalos, com Monsieurs e Dames e-le-gan-tér-ri-mos com seus chapéus (elas também com coquetes ou flores) e alguns muito, muito bizarross, óbvio. E todo mundo (inclusive o David e eu) com os paniers (espécie de brunch vendido numa caixa redonda linda, rosa pink ou azul), fazendo pique-nique, nos jardins do Chatêau. Todo aquele glamour cinematográfico do meu imaginário.
O jet-set-style existe, né. Glamour, charme e finesse ali, diante de mim.


Mas o MELHOR da journée foi o ‘concert’ da Coeur de Pirate, a cantora de Quebec [a tatuada Beatriz, que adoro], que canta músicas fofas em francês, e toca piano – de verdade – no show.


O Prix de Diane Longines é um dos mais importantes da França e do verão, na Europa e, com certeza, um desfile de chapéus a céu aberto. Pena que não trouxe o meu. Comprar um para o verão é meta agora. :D
.
.
.
[vale dizer que a entrada para as corridas era gratuita para quem ia portando un chapeaux. Ainda bem que eu tinha convite. ]

Todas as fotos do evento aqui: http://www.flickr.com/photos/hinerasky/sets/72157626813659835/
bisous, @hinerasky

Onde estou?

Você está navegando em publicações marcadas com beleza em Retalhos.