conectar(se) dá trabalho. muito.

outubro 13, 2009 § 7 Comentários

3463289462_29bd918bac_o Nunca parei tanto pra pensar em comunicação (ou na falta de) quanto ultimamente. A minha geração, que já é filhote da rede mundial, é uma das que menos se comunica – digo, que se comunica pior – apesar de tantos espaços para isso (a gente sabe que as conversações ocorrem e os encontros existem). Comunicar, aqui, estou falando em interagir, e, ao fazer isso, ser compreendido e/ou correspondido, né.

Não é UM problema, apenas, na minha opinião. São vários.

Isso tem a ver não só com as idiossincrasias das tecnologias digitais e das redes, mas também com o nosso jeito de dizer, com a (falta de) clareza. Com as palavras que a gente escolhe, penso cá.

Quem está do outro lado nao tem como adivinhar nossa empolgação, tristeza ou desmotivação; se um simples “Sim” é só um sim mesmo. Ou o que a gente tá pensando junto com este sim (os poréns ou se é um “mais ou menos”). Se um “não” de resposta implica uma carga de desapontamento, conformismo ou whatever.
Ou se um “Pode ser”, “Tudo bem, ok, fulaninho” não está carregado de um: “Não pensa que eu aguento isso“; ou “Quero me avançar em você”.

E se você puxa assunto com alguém numa destas plataformas e a pessoa não responde? Ela pode não estar no computador, ou pode estar ocupada, né? Ou tantas coisas. Mas você acredita nisso?

Supostas piadas ou intenções também nem sempre têm sucesso, né gente.

E no quesito afeto e coisas do coração? Ixi. Fudeu. Aí é que estas coisas se agravam. Porque mesmo com as webcams, não tem como tocar, nem ouvir o tom da voz e a respiração da mesma forma que ao vivo.

Ô coisinha complicada. Justamente porque estamos falando de pessoas.

PIOR. O que eu sinto é que tudo isso vem agravando cada vez mais nossos jeitos de interagir principalmente nas nossas relações em grupo, no dia-a-dia e não só na internet. Pode ser que gente esteja conversando menos e não falando tudo que gostaria pras pessoas. Sendo mais monossilábico até.

Claro que tem isso de ser mais fácil e confortável dizer as coisas escrevendo, por e-mail, ou nestas quickmessages, “escondida” na tela de cá, do que no cara-a-cara. Mas é bem por isso que eu às vezes me sinto emburrecendo, sem iniciativa para dizer coisas tão simples, mas fundamentais para as pessoas com quem me relaciono, a qualquer hora. Em casa, num café, no trabalho, na hora do almoço.

Muita gente dizendo coisas, vidas explícitas, mas pouca clareza no eu-e-você. Ruído. Delay.
Daí que tem gente que se trumbica. No virtual e no real.
E não tô dizendo que é culpa da rede, veja bem.
Acho que a rede mundial facilita muito os acessos das pessoas e às pessoas (sou uma otimista). Facilita as conexões. Facilita as relações, sim. Mas não os laços fortes, os vínculos de fato.
Aí a gente fala coisas. Não se entende. And… straight on.
Vamos em frente, porque é mais fácil fazer novos amigos do que fortalecer as relações que já temos.

E é aqui que eu concordo com o sociólogo Zygmunt Bauman. Porque com a mesma facilidade que a gente conecta, a gente se desconecta, né. Esta é a lógica – legítima – das redes, que não obriga o engajamento e o compromisso: “momentos em que se está em contato, intercalados por períodos de movimentação A ESMO”, explica Bauman. Conexões estabelecidas e cortadas POR ESCOLHA. Aqui está a fragilidade das relações, né.

Embora neste ponto já entremos num tema nodoso, o dos relacionamentos, (que claro, também perpassam as interações), penso que isso justifica muito da ansiedade do que a gente vive e até do medo de se expor (ou não né?).

Talvez nem falte dizer. Falta fazer acontecer neste mundo.
Fora daqui.
Porque comunicação é ação, né, nerds?
Aquele abraço!

.fragmentos de silêncio em voz alta.

abril 23, 2009 § 3 Comentários

dsc00975

Ando sumida também por aqui neste blog.

Lembrei de umas fotos que eu tirei de uma série de Textos do artista Dario Robleto (EUA), na 6a BIENAL DO MERCOSUL (2007), no cais do Porto (Porto Alegre), intitulada “O Tempo nunca vai nos apagar“.
Falavam das dimensões variáveis da vida.

Sim, não me encontro mais nos lugares em que costumava ir.
Que fim levei?

.coming waves.

março 31, 2009 § 2 Comentários

Quase me faz levitar. Em ondas fofas.
Tá no The Hazards Of Love, do The Decemberists.
Vale ouvir a versão completa, faixa 8 Aqui a letra.

embalo

julho 8, 2007 § 1 comentário

Na tarde de inverno morno, tudo estava diferente, mas nada fora de lugar. Ela flutuava e não andava, enquanto o tempo passava mais devagar.
As novas músicas do Ipod eram a trilha doce para ouvidos e a embalavam no mesmo ritmo do ônibus.Tudo em perfeita sincronia.
Enquanto a cidade corria e os neons de bares, restaurantes e lojas acendiam, ela, de pé, observava a vida transcorrer fora dali e via também os rostos de quem estava bem perto. Não-lugares cheios de sentido. Aliás, tudo fazia sentido.
Exalando a música que ouvia e ao som de cada instrumento que absorvia, se dava conta da vida em movimento e do movimento da vida. Realmente queria voar, porque flutuando já estava.
E para ela, as pessoas pareciam dançar.
A cada bus stop, gente. Expressões. Gente diferente e como ela. A sorrir e a franzir, testa e nariz.
Quantas e quais preocupações e crenças. As de sempre com ela: por que uns com mais e outros tantos com menos? Vários caminhos e os mesmos. Quem para aonde, não sabia. Nada novo, pois.
Mas naquele entardecer: a harmonia persistia. Ninguém perdido e nada a incomodava: o ônibus lotado pelo horário de pico, cheiros, olhares, odores. Multidão era acolhimento; cheiros: perfume.
E ela num sorriso particular comunicando, mas tão longe dali… Percorria sua alma. Estava a pensar nas mil maneiras de como voar mais devagar… pra tudo aproveitar.
A brisa morna inebriava a guria e aquele caminho no corredor do transporte coletivo. Para ela, um átimo ápice da vida.

A questão não era o tempo, nem o lugar. Mas ela.
A mesma, sim. Ela, a guria de sempre.
– O que te parece? – perguntou o motorista.
– Acho que desabrochou! – respondeu alguém.

Desceu na parada. Cantava com olhos. E não parou de se encantar com a capital – tão colorida!, no dia cinzento. Continua no embalo até hoje. Ainda bem.

Onde estou?

Você está navegando em publicações marcadas com cotidiano em Retalhos.